segunda-feira, 4 de março de 2013

DICA DE JOGRAL PARA O NATAL




* Todos - Muito antes do Messias
À terra vir habitar
Seu Pai procurou com amor
Um lindo nome lhe dar.

* 1 - Seu nome será Maravilhoso,
Porque maravilhas ele fará,
Fará prodígios e curas,
Até mortos ressuscitará.

* 2 - Seu nome será Conselheiro
Porque conselhos dará,
Através de sermões e parábolas
Que ao povo pregará.

* 3 - Seu nome será Deus Forte
Pois a tudo vencerá
Vencerá até a morte,
Porque ressuscitará.

4 - Seu nome será Príncipe da Paz
Porque a paz pregará.
E quem for pacificador
Bem-aventurado será.

* 5 - Seu nome será Pai da Eternidade
Porque eterno ele é.
Ele estava no princípio com Deus
Reconciliando o mundo através da fé.

* 6 - Seu nome será Emanuel,
"Deus Conosco" - quer dizer.
Quem o buscar de coração
Ele pode socorrer.
 * 7 - Seu nome será Cristo
Porque será sofredor,
Será ferido, humilhado
E pregado numa cruz de horror.

* Todos - JESUS - é o mais belo nome
Acima de todos está.


"Que Jesus Cristo é o Senhor!"
Toda língua confessará.


Lucas 2. 8-20 (Nova Tradução na Linguagem de Hoje)

domingo, 3 de março de 2013

1 PEDRO 4:19A

Bíblicos

1 JOÃO 4:10 - 11

Bíblicos

1 CORINTIOS 15:58

Bíblicos

FANNY CROSBY



Um grande exemplo de superação, sua história pode ser contada no dia Internacional da Mulher. Por meio de peças ou fantoches.

Nascida em 24 de março de 1820 no município de Putnam, em Nova Iorque. Pouco depois disso veio a falecer seu pai. Quando tinha apenas seis semanas de vida ficou cega por causa de um erro médico. Esta deficiência lhe acompanhou o resto de sua vida, mesmo assim, Fanny não se deixava abalar pelo problema. Sua convicção cristã não lhe permitia a melancolia. Esta certeza está nas letras dos seus hinos. Ela também já desde sua infância dizia que tinha um pedido para o seu Criador. Ao entrar no céu, o primeiro rosto que ela gostaria de ver, era o do seu Salvador.
A perspectiva mais acertada para uma pessoa assim, seria o fracasso. Mas não para aquela menina, que se tornaria a mulher mais famosa da hinódia norte-americana. Chegou a ser muito conhecida por cinco presidentes dos Estados Unidos. Aos oito anos demonstrava seu futuro brilhante, quando já escrevia poemas. Aos quinze anos ingressou numa escola para cegos em Nova York, onde voltou depois para lecionar e passou o resto da sua vida. Nesta escola encontrou Alexandre Van Alstyne um músico, com quem se casou aos 38 anos, que também era cego.
Fanny tinha pouco mais de um mês de vida quando sofreu uma infecção nos olhos. O clínico geral estava fora da cidade e um outro médico fora chamado para tratar do caso. Receitou cataplasmas de mostarda quente e o efeito foi desastroso: a menina ficaria cega pelo resto da vida. O "médico" teve de fugir da cidade, tamanha a revolta suscitada entre os parentes e vizinhos do bebê.
Aos cinco anos, foi levada pela mãe para consultar o melhor especialista no país, o Dr. Valentine Mott. Uma coleta feita entre os vizinhos pagou a viagem. O pai de Fanny já havia morrido e a situação financeira da família era muito difícil. O sacrifício, infelizmente, foi em vão, já que o médico decretou o caso como incurável. A menina teve então de acostumar-se as dificuldades, ao mesmo tempo em que demonstrava uma habilidade incomum para compor poesias.
Fanny foi evangelizada por sua avó, que passava horas lendo a Bíblia para a menina, que demonstrava ter uma memória extraordinária: decorou diversos trechos do Livro de Rute e dos Salmos. Aos 15 anos, ela entrou para o Instituto de Cegos de Nova Iorque, para onde voltaria anos depois para ensinar Inglês e História. Como aluna e professora, Fanny passou 35 anos na mesma escola.
Em 1844, escreveu seu primeiro livro de poemas - "A Menina Cega e Outros Poemas". Uma de suas primeiras participações como compositora aconteceu em um dos cultos de Dwight L. Moody, um dos maiores pregadores da história do Evangelho, que realizava uma conferência na cidade de Northfield, no estado de Massachussetts. Impressionado com o talento de Fanny, Moody pediu que ela contasse o testemunho pessoal de sua fé e de seu relacionamento com Deus. Assustada, Fanny a princípio relutou, mas depois leu a letra de um hino que acabara de escrever: "Eu o chamo de meu poema da alma. Às vezes, quando eu estou preocupada, eu repito isto para mim mesma, e essas palavras trazem conforto ao meu coração, disse ela, antes de recitá-lo."
O hino, é verdade, não é citado em sua biografia, mas isso, de fato, pouco importa, já que poderia ser qualquer um daquelas centenas de cânticos que embalaram o avivamento americano no século XIX, período que ficou conhecido como O Grande Despertamento. Naquela ocasião, os momentos de apelo à conversão eram freqüentemente inspirados por palavras como as do hino Mais perto da Tua Cruz, composto por Fanny Crosby, em 1868:
Meu Senhor sou Teu
Tua voz ouvi, a chamar-me com amor [...]
mais perto da Tua cruz leva-me, ó Senhor.
Cquote2.svg
Fanny era membro da Igreja Episcopal Metodista, de Nova Iorque. Ela era uma oradora devota e freqüentemente preparava os cultos infantis da igreja.
A tradução literal duma poesia escrita por ela aos oito anos mostra sua personalidade:
Cquote1.svgEntão pode chorar e soluçar porque sou cega
Oh, que menina contente sou eu,
Apesar de não poder ver,
Pois decidida estou que
Neste mundo alegre serei!
Quantas bênçãos recebo eu
Então pode chorar e soluçar porque sou cega
Porque isso não farei!
Cquote2.svg
Este poema foi profético, pois Fanny Crosby seria, em toda a sua vida, caracterizada pela alegria.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Fanny_Crosby